Nelson Sargento, Cartola e Antônio Português cantando o dia do trabalhador

Neste primeiro de maio, um samba de Nelson Sargento, Antônio Português e Cartola:

Samba do operário

Nelson Sargento, Antônio Português e Cartola

Se o operário soubesse
Reconhecer o valor que tem seu dia
Por certo que valeria
Duas vezes mais o seu salário

Mas como não quer reconhecer
É ele escravo sem ser
De qualquer usurário

Abafa-se a voz do oprimido
Com a dor e o gemido
Não se pode desabafar

Trabalho feito por minha mão
Só encontrei exploração
Em todo lugar

É quase uma aula de teoria do valor em forma de samba. Todo mundo conhece Nelson Sargento e Cartola, mas Alfredo Português, nem tanto. Ele era um fadista do bairro de Alfama, Lisboa, e ex-integrante da Marinha Mercante Portuguesa. Perseguido pelo salazarismo, veio para o Brasil e acabou morando no Morro da Mangueira. Nelson Sargento, afilhado de Português, conta assim a origem dessa música:

O Samba do operário tem um negócio gozado. Era primeiro de maio de um ano qualquer. O Cartola foi lá em casa nós começamos conversar, falar do primeiro de maio e o Alfredo Português falou: “vamos fazer um samba”. Cartola me perguntou se eu faria letra. Eu disse: faço. Depois o Alfredo fez letra da segunda parte eu, abusadamente, fiz música. Nós costumamos dizer que Cartola participou sem querer de um samba de protesto.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s